Onde estão os neoliberais do RS?

O Brasil, ao longo de seus 500 anos, foi governado pelas elites nacionais, ora civil, ora militar. Agregado a isto, também soma-se a onda neoliberal da última década, que deixou um rastro de fome, miséria e uma incalculável dívida social para com o povo brasileiro. Na metade da década de noventa, o então Presidente Fernando Henrique Cardoso - FHC e o Governador Antonio Britto, do PMDB, no Estado do Rio Grande do Sul, articularam a redução do Estado Brasileiro, num rápido e nefasto processo de privatização do patrimônio Público pondo em prática a política do Estado Mínimo.

O discurso que a grande mídia local ou do centro do País (leia-se GLOBO/RBS)reafirmava, por meio de seus funcionários e colaboradores era a necessidade urgente da venda do patrimônio público com objetivo de melhorar a saúde, a educação e a segurança pública dos gaúchos. No Rio Grande do Sul, o governo PMDB-Britto privatizou a CRT e CEEE, entregando-as ao grupo RBS e à multinacionais de telefonia e energia. Disseminaram pedágios pelas nossas estradas, fizeram da guerra fiscal sua principal política de atração de investimentos, incentivaram irresponsavelmente a demissão de funcionários públicos, com o famoso PDV e submetendo a população gaúcha a serviços essenciais de péssima qualidade.

Com a privatização, os reajustes das tarifas Públicas superaram a casa dos 500%. No entanto, a maioria dos trabalhadores obteve apenas índices insignificantes de reajustes em seus salários. Com a eleição da Frente Popular, em 1998, tendo o companheiro Olívio Dutra como govenador, impediu-se que o restante do patrimônio do Estado fosse vendido.

Passados 10 anos da onda neoliberal, a saúde, a segurança pública e a educação gaúcha estão na UTI. O governo Rigotto e seus aliados - os mesmos da onda neoliberal -, não propõem nenhuma iniciativa, seja ela econômica ou política para superar ou enfrentar a crise que estamos vivendo, ao contrario, atribuem essa responsabilidade aos outros ( ou seja, ao governo Lula).

Aliás, essa crise não é novidade, o governo Olívio Dutra durante quatro anos enfrentou inúmeras dificuldades financeiras, porém, não atrasou salários, não parcelou o 13º, integralizou 222% de risco de vida para a segurança pública, fez concurso e nomeou concursados em todas as áreas e reajustou os seus vencimentos, reduziu a criminalidade (2002/2003), assentou mais de 5.000 famílias e apoiou a agricultura familiar (RS Rural,agroindustria-familiar, seguro agrícola etc.). Sem vender um parafuso, pagou rigorosamente em dia os salários dos servidores.

Rigotto e seus aliados tentam jogar no colo de Lula a responsabilidade pela situação financeira do Estado e querem que o governo Federal resolva o problema que eles mesmos ajudaram a criar. Em apenas um ano, o governo Lula reduziu taxa de juros e fez reformas importantes que beneficiaram o Estado (Rigotto manteve o maior teto salarial do país R$ 17.000,00), impediu aumentos abusivos da gasolina, gás, energia e telefonia, além de garantir a estabilidade da moeda.

Temos um projeto sério! O governo Lula trabalha visando garantir o crescimento econômico permanente, com geração de emprego e distribuição de renda, um projeto que nos coloca novamente como protagonistas no cenário internacional e construiu novas alianças, tais como as realizadas com a China, Índia, Irã , África boreal,etc.

Aqui no RS, partidos aliados de Rigotto o abandonam, devido à falta de iniciativa e de competência. Esse já é o pior governo que os gaúchos tiveram desde a conquista da redemocratização do país. O governador não foi eleito somente para posar para fotografias, mas para enfrentar os problemas do Estado e ter iniciativas que garantam uma melhor qualidade de vida aos gaúchos. Onde estão os postos de saúde a cada quilometro?

Onde está o tão propalado, na campanha eleitoral, resgate da dignidade do servidor publico e, em especial, aqueles ligados a segurança ?

(*) O deputado Dionilso Marcon (PT)é vice-presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos

 

 

Publicado em 24/03/2004 às 00:00

Dionilso Marcon *

Compartilhar

Deputadas Estaduais

Stela Farias

Líder da Bancada

Stela Farias

Miriam Marroni

Vice-líder Partidária

Miriam Marroni

 

Deputados Estaduais

Edegar Pretto

Presidente da Assembleia Legislativa

Edegar Pretto

Luiz Fernando Mainardi

Vice-líder da Bancada

Luiz Fernando Mainardi

Tarcísio Zimmermann

Líder Partidário

Tarcísio Zimmermann

Endereço: Praça Marechal Deodoro, 101/506 - Porto Alegre-RS - Fones: (51)3210-2913 (Bancada) e (51)3210-1123 (Imprensa)
ptsul@ptsul.com.br

Projetado, desenvolvido e mantido pela coordenadoria da Bancada do PT/AL-RS

Este trabalho foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Adaptada